Dinheiro

Bancos: lucros, mais lucros e muito mais lucros

Os bancos ganham muito dinheiro e não sofrem os efeitos da crise internacional pelo simples fato de que, aqui no Brasil, eles não operam como bancos. Apesar da aparência de erro na construção da tese, a realidade é essa mesmo! E a principal causa para tal possibilidade é o elevado patamar da taxa de juros oficial, a SELIC. Continue lendo

Bolha, só se for de equívocos

Nossa taxa real de juros é uma das mais altas do planeta! Isto faz com que os bancos brasileiros não precisem, para se rentabilizar, aventurarem-se por mercados de altíssimo risco, tal como ocorreu nos EUA e em alguns países europeus e no Brasil os bancos possuem baixa alavancagem e operam num ambiente regulatório e fiscalizatório que é “benchmark” mundial Continue lendo

Nova carteira para as práticas transparentes

 BM&FBovespa e o BNDES anunciaram esta semana a composição da carteira teórica do Índice Carbono Eficiente, válida de setembro a dezembro de 2011. O ICO² é um indicador composto pelas ações das companhias participantes do índice IBrX-50 que aceitaram participar dessa iniciativa, adotando práticas transparentes com relação às suas emissões de gases efeito estufa (GEE). A ponderação das ações na carteira leva em consideração o grau de eficiência de emissões de GEE das empresas, além do free float (ações que estão livres para a negociação pública) de cada uma. Os… Leia

A política e a economia na (des)construção européia

A distância física e a falta de sintonia dos órgãos centrais europeus reforçam o sentimento com que passam a ser tratados “aqueles de Bruxelas”, como se aos poucos o sonho da Europa unida fosse desconstruído pelos pesadelos provocados pelas decisões de uma tecnocracia desvinculada das preocupações da maioria da população Continue lendo

O fantasma do crescente endividamento do consumidor

O País não dispõe de mecanismos para evitar o superendividamento do consumidor e isto é uma vulnerabilidade. Como não se sabe quem está com dívidas acima de sua capacidade de pagamento e se desconhece o histórico de crédito, há uma zona cinzenta entre quem é bom ou mau pagador. Hoje, o superendividamento ocorre de forma individualizada no Brasil, mas determina impactos no coletivo Continue lendo

Os penicos do padre Almeida

O padre Almeida foi um paulista de grande coração e riqueza. Ajudou frei Galvão, mandou fundir 100 penicos de prata e sua memória serve à invocação do próprio São Frei Galvão, que com seus milagres pode realizar a salvação do Corinthians e do Brasil Continue lendo

O Japão vê a China passar

A China também deslocou o Japão da posição de maior sócio comercial dos países asiáticos, incluído esse país e os Estados Unidos, o que consolida sua posição como motor do crescimento mundial Continue lendo

Vão todos lá, nos ministérios, pedir a competitividade da caneta

Nos entretantos e nos principalmentes, deve-se dizer ao professor Krugman que aqui, no País globalizado, cozinha-se como sempre a feijoada liberal do Estado Continue lendo

A sopa de letras de Mailson da Nóbrega

Na definição do ex-ministro, a capacidade de reação de cada país diante da crise financeira mundial pode ser descrita por letras, acompanhando as características gráficas Continue lendo

O pior da crise passou

O Brasil não sofre risco de forca, diz o ex-ministro da Fazenda Mailson da Nóbrega. “Vão ficar seqüelas, sim, mas a recuperação já começou”. Continue lendo

Grau de investimento do Brasil: uma vitória e três problemas

Nota concedida pela Fitch é uma vitória do País. O desafio agora é diminuir a dependência das commodities, a carga tributária e propiciar um desenvolvimento sócio-ambiental sustentável. Continue lendo

Expansão de crédito sustenta lucro no bancos

Com excessão de Santander, instituições financeiras apresentaram robusto crescimento no lucro. Banco do Brasil teve acréscimo de 66,6% Continue lendo